Nintendo Switch | Conheça a tecnologia embarcada em videogames portáteis

Nintendo Switch | Conheça a tecnologia embarcada em videogames portáteis - Gaming Lab

          Esse texto pode ser polêmico e podemos com ele abalar as estruturas de muita gente que é fã de videogames, principalmente os mais conservadores com relação aos consoles, aqueles que se apegaram a consoles estilo telefone com fio podem até criticar, mas é impossível não admitir a versatilidade de um console móvel, ou mesmo dos mais novos consoles denominados consoles híbridos, como o Nintendo switch, você já está julgando né? Bom,então vamos explicar um pouco o que são e mais um pouco sobre a tecnologia que permite esse hibridismo, quem sabe não te convencemos a experimentar.

          Não são poucos os fãs que aderem aos consoles portáteis, em 2001 era lançado o famoso console da Nintendo, o Game boy advance (sucessor do Game boy color), o console iniciou a implementação dos jogos inteiramente em 3D. É incrível pensar que a infância de vários adultos foi permeada por franquias como Super. Mario Bros (o jogo veio direto do Super Nintendo e ganhou as telinhas do Game Boy), Kirby Dream Land , Zelda e não menos importante a franquia de Pokémon, impulsionaram as vendas do queridinho da Nintendo, tão querido que é considerado o vídeo game com as vendas mais rápidas da história, com nada menos que 81,5 milhões de consoles vendidos.

          E de lá pra cá a tecnologia veio avançando no mundo dos games, até que chegamos ao momento de viver o sonho de quem é fã de consoles portáteis e acabar com a cisma de quem tem por preferência consoles de mesa. Em 2017, a Nintendo nos surpreende (embora rumores do console tenham vazado em meados de 2016) com um console que pode ser levado confortavelmente dentro da bolsa para momentos de tédio urbano e também permite uma imersão incrível quando em casa. Estamos falando do Nintendo Switch, um console híbrido que possui uma tela LCD de 6,2 polegadas e suporta cerca de 10 pontos de toques simultâneos, com tela capacitiva muito mais sensível que os da geração anterior dos NDs. O console possui resolução de 720 megapixels, bateria de 4.310mAh  (isso dá quase 9 horas de muita diversão) e entrada para cartão de memória (embora a maioria dos jogos possa ser adquirida pelo sistema online da Nintendo). Ele possui duas manetes removíveis chamadas de Joy-Com que permite a interação do jogador com o vídeo game em vários formatos, podendo o usuário jogar sozinho ou com alguém manipulando a outra manete individualmente. A diversão portátil não acaba por ai, o console tem conexão de rede Wifi, e para a alegria de muitos Gamers que apreciam a interação é possível interligar até 10 consoles (sendo 2 deles só espectadores das sessões dos jogos) sem a necessidade de um roteador por uma rede chamada Ad Hoc, permitindo que os usuários se encontrem e joguem juntos sem a necessidade de grandes infraestruturas.

Economize 43% em um pacote de acessórios Nintendo Switch e mais ofertas Nintendo  Switch - TEG6
Imagem / Divulgação: Nintendo

          Mas o diferencial começa quando chegamos em casa;  mágica acontece quando colocamos o console no Dock , uma estação de mesa com conexão HDMI direta com a TV, podemos perceber o monstro saindo da jaula, pois para evitar super aquecimento e o consumo excessivo da bateria, o clock do Switch no modo portátil é limitado (307.2MHz), o que não ocorre quando eles está no “modo Dock” , onde ele pode chegar até 800MHz com sua GPU da Nvidia de 256 núcleos, proporcionando ao jogador uma experiência de Desktop, tendo títulos como New Super Mario Bros. e The Legend of Zelda: Breath of the Wild o Nintendo Switch vem agradando.

          No Brasil o Nintendo Switch foi lançado em 2019 (sim, 2 anos depois do lançamento oficial), e não foi só isso, existe uma diferença de hardware entre os consoles produzidos antes de agosto de 2019 e os produzidos depois, por fora são exatamente a mesma coisa, mas por dentro, o processador da Nvidia foi alterado, alterando basicamente a eficiência energética do console. O processador Tegra X1(pré agosto) possui um tamanho maior, cerca de 20 nanômetros, o que permite uma independência até 6 horas. Já o Tegra X1+ (pós agosto), esse já com 16 nanômetros, permite uma independência de até 9 horas sem precisar encostar em um carregador.

          E para os Nintenders de plantão, a Nintendo lançou uma versão do Switch com tela Oled de 7 polegadas (um aumento significativo com relação a versão anterior de 6,2 polegadas).O Nintendo Switch Oled , com som remasterizado (o que era um gargalo na versão anterior) e a entrada para cabo de rede (que não existia na versão anterior), é uma nova versão do Nintendo Switch e traz a mesma jogabilidade e desempenho do processador Tegra X1+ com uma tela mais harmoniosa e com cores mais vivas, principalmente se o usuário utiliza mais a configuração portátil.

Novo Nintendo Switch é anunciado com tela OLED de 7 polegadas | Video Game  | TechTudo
Nintendo Switch Oled – Imagem / Divulgação: Nintendo

          Bom, e pra você que quer uma versão mais em conta, ou não liga muito para consoles de mesa, a Nintendo também pensou em você. A versão do Nintendo Switch Lite possui Joy Com’s não removíveis, ou seja, nessa versão você só utilizará o Nintendo na configuração portátil, contanto com uma tela LCD de 6,2 polegadas e 720 megapixels a versão lite tem menos brilho e contraste que a versão normal e muito menos ainda que a versão Oled que acabamos de comentar, mas fica aí mais uma opção do console.

          Espero que sua visão tenha mudado quanto aos consoles híbridos. A Nintendo ainda não se posicionou com relação a um possível Nintendo Switch com resolução 4K (já está passando da hora não acha?) então por enquanto se contente com a versão Full Hd e tenha muita diversão, tanto na rua quanto em casa.